Vale de Cambra abre Cursos Técnicos Superiores Profissionais em setembro

Vale de Cambra vai passar a ter cinco Cursos Técnicos Superiores Profissionais a partir de setembro, para alunos com o 12.º ano, com acesso imediato a cursos superiores no Instituto Politécnico do Porto.

A Câmara de Vale de Cambra, o Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), a FORESP – Escola Tecnológica e Agrupamento de Escolas de Búzio celebraram, na última terça feira, um acordo de parceria que assegura a oferta de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP) já para o próximo ano letivo.

Este é o primeiro passo para um futuro empresarial de Vale de Cambra, mas também servirá para fomentar o desenvolvimento do ensino e da economia no concelho, considerou o presidente da Câmara de Vale de Cambra.

“Espero que, no futuro, se venha a tornar de enorme importância para o tecido empresarial que está a ter enormes dificuldades para encontrar mão de obra qualificada e mão de obra diferenciada. Este é o primeiro passo para fomentar o desenvolvimento do ensino e da economia no nosso concelho”, referiu José Pinheiro.

Automação, Robótica e Controlo Industrial; Energia, Eficiência e Sustentabilidade; Georrecursos, construção e ambiente; Sistemas Eletromecânicos; e Tecnologia Mecânica são os cinco cursos que irão abrir em setembro.

“Iremos divulgar brevemente o período de candidaturas para que todos os interessados se possam candidatar” e formar turmas de 20 alunos, explicou o diretor do ISEP, naquela reunião.

Os Cursos Técnicos Superiores Profissionais são um ciclo de estudos superiores que não conferem grau académico, mas, cuja conclusão, com aproveitamento, conduz à atribuição do diploma de técnico superior profissional e dá a oportunidade de integração profissional mais rápida, com maiores expetativas salariais, possibilitando ao aluno de prosseguir estudos no Instituto Politécnico do Porto (IPP).

Os cursos exigem o ensino secundário completo, mas já não terão de fazer provas de acesso às licenciaturas.

“Podem aceder aos cursos de ensino superior, ou seja, às licenciaturas no ISEP, nas áreas que correspondem àquelas que são enquadradas nos cursos profissionais que frequentarem aqui em Vale de Cambra”, acrescentou João Rocha.

O diretor lembrou ainda que os TeSP têm uma componente de formação em contexto de trabalho que estará assegurada através dos contactos que irão ser estabelecidos com parceiros empresariais da região, dando ao aluno uma oportunidade de integração profissional mais rápida.

“Estes cursos têm a particularidade de obrigarem a fazer o estágio em ambiente empresarial e vamos fazer protocolos com empresas da região para proporcionar durante o próprio curso façam estágio profissional nas empresas da região”, reforçou.

Os Técnicos Superiores Profissionais foram desenhados com a preocupação das características das empresas desta região, procurando responder às necessidades de formação de profissionais, integrando com rapidez no mercado de trabalho.

A responsabilidade formativa destes cursos é do ISEP, sendo que, serão parceiros, a Escola Tecnológica e o Agrupamento de Escolas de Búzio, que disponibilizarão os recursos administrativos e as infraestruturas.

“O funcionamento será assegurando pelos docentes do ISEP e também, gradualmente, em algumas áreas, pretendemos recorrer a docentes que já trabalham em Vale de Cambra, para aumentar essa ligação à região”, disse.

Os TeSP vão avançar em Vale de Cambra sem “qualquer financiamento adicional”, mas João Rocha está na expetativa que, no futuro, venham a ter financiamento próprio.

A vereadora do pelouro da educação considerou a vinda destes cursos para o Concelho, uma “mais valia” para as empresas, mas também para alunos e famílias.

“As empresas de Vale de Cambra tinham necessidade destes cursos e os nossos alunos também. Há famílias que querem que os filhos prossigam o ensino superior, no entanto, isso não lhes era possível devido às deslocações. Agora será possível que estes prossigam os seus estudos sem estas despesas. Para as empresas é uma mais valia, porque estes cursos são adaptados às suas necessidades”, reforçou Catarina Paiva.

A assinatura desta parceria foi um momento “especial” para o presidente da Associação para a Formação e Especialização Tecnológica (FORESP) e professor na Escola Tecnológica de Vale de Cambra, que sempre se debateu pelo ensino superior em Vale de Cambra.

“A FORESP surgiu para promover uma formação específica, adaptada às necessidades empresariais e estes cursos de nível superior são feitos à medida destas necessidades”, declarou João Meixedo.

O diretor do Agrupamento de Escolas de Búzio considerou que a vinda destes cursos para o Concelho, permitiu construir uma “rede” que envolve escolas, empresas e Município.

“É importante construir uma rede e um grande envolvimento entre o Agrupamento, as empresas, as escolas e o Município”, disse Pedro Martins.

Leia a notícia completa na edição em papel. 

Deixe uma resposta

error: Content is protected !!