Creches de Vale de Cambra reabrem com menos crianças e novas medidas de higiene e segurança

A Santa Casa da Misericórdia de Vale de Cambra e o Centro Social e Paroquial de S. Pedro de Castelões reabriram hoje a valência de Creche com menos crianças do que o habitual e com medidas apertadas de higiene e segurança, relacionadas com a pandemia covid-19. A Fundação Luiz Bernardo de Almeida prevê abrir esta valência apenas a 1 de junho. 

Cristina Maria Santos 

Segundo os responsáveis das duas instituições, a reabertura está a decorrer de forma gradual, tranquilidade e com segurança.

Nesta primeira fase, alguns pais optaram por ficar em casa com os filhos, uma vez o o apoio à família de 66% da remuneração mantém-se até final do mês de maio. 

Neste período, que ainda é de aprendizagem no que diz respeito aos procedimentos a adoptar segundo as recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS), a Misericórdia valecambrense recebeu apenas 14 das 80 crianças que receberia num período normal de funcionamento. 

As medidas estão a ser cumpridas no contacto com fornecedores, receção e entrega das crianças, alimentação, mudança de fralda, sala de isolamento, procedimentos para os colaboradores e hora da sesta.

Segundo declarações do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Vale de Cambra ao Voz de Cambra, as colaboradoras da instituição receberam formação da União das Misericórdias que dinamizou ações de formação online e também da Segurança Social com normas orientadoras com os profissionais dos equipamentos de infância.

“A abertura está a ser gradual tranquila e com segurança”, assegura António Pina Marques. 

O responsável garantiu que todos os funcionários que iam retomar a sua atividade nesta valência foram testados à covid-19 e que a segurança foi sempre prioridade na instituição.

No dia 1 de junho, o pré-escolar e o ATL reabrirão também sob condições reservadas e tendo em conta as recomendações da DGS. 

Centro Social de S. Pedro de Castelões reabre com novas medidas 

O Centro Social e Paroquial (CSP) de S. Pedro de Castelões também se adaptou a esta nova realidade seguindo as recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS). 

“Esta preparação decorre há um mês com a supervisão do médico Cândido Campos, na área da saúde e da arquiteta Isabel Bastos na adaptação dos espaços”, refere o Centro, em declarações ao Voz de Cambra.  

A instituição recebeu hoje apenas cinco das 45 crianças que receberia num período normal de funcionamento.

A diretora técnica da instituição, Deolinda Pinho, prevê que a 1 de junho regressem à creche 34 crianças e que preencham três das quatro salas preparadas para as receber neste contexto de distanciamento.

“Passámos a ter quatro salas com nove crianças cada, em vez de três salas com 12 crianças como até aqui. E ainda temos o berçário”, especificou.

As mudanças nas práticas começaram logo pela manhã e na porta da entrada. Os pais passam a deixar as crianças à entrada da instituição, sem poder entrar dentro da creche, como vinha sendo prática antes do surto pandémico.

“Desde o início da pandemia que a instituição tomou essa precaução e já não deixava entrar os pais e agora continuamos o procedimento”, reforça.

À entrada, foi colocado um tapete, onde as crianças trocam de calçado e desinfetam as mãos. Dentro das salas é feita a desinfeção duas vezes por dia e quatro vezes nas casas de banho.

Por enquanto, entraram ao serviço, três funcionárias de nove afetas ao serviço, tendo em conta o reduzido número de crianças, de momento, na instituição.

As colaboradoras foram todas testadas à covid-19 para entrarem em funções, todas com resultados negativos, garantiu a diretora técnica e não entrarão em contacto com outras zonas do edifício do Centro Social que não seja a Creche, para evitar o cruzamento de pessoas e o aumento da possibilidade de contágio.

No dia 1 de junho, a Atividade de Apoio à Família e o CATL também reabrirão ao público nesta instituição sob as mesmas condições, referiu ainda Deolinda Pinho.

Fundação prevê reabertura a 1 de junho 

A abertura da creche da fundação Luiz Bernardo de Almeida será apenas a 1 de junho e não a 18 de maio, como seria previsto, com a abertura das creches na segunda fase do desconfinamento, medida que entra em vigor a partir de segunda-feira.

Recorde-se que esta instituição foi a mais afetada com a pandemia covid-19 no concelho de Vale de Cambra e que está agora a começar a reerguer-se lentamente.

“Não abriremos ainda porque preferimos esperar mais um pouco, no sentido de prepararmos e adaptarmos, as instalações conforme orientações da Segurança Social e DGS. Vamos também proceder a desinfeção de todos os edifícios da infância na próxima semana”, explicou o diretor da instituição ao Voz de Cambra, José Carlos Coelho.  

Deixe uma resposta