Duas pessoas de Vale de Cambra detidas por violação do confinamento obrigatório

A GNR deteve, nos dias 26 e 28 de setembro, um homem de 62 anos e uma mulher de 61, por violação do confinamento obrigatório a que estavam sujeitos, no âmbito da pandemia de covid-19, em São Pedro de Castelões, Vale de Cambra.

No decorrer de ações de policiamento destinadas a verificar o cumprimento do confinamento obrigatório, os  militares da Guarda do Comando Territorial de Aveiro, através do Posto Territorial de Vale de Cambra, “no dia 26 de setembro, deslocaram-se à residência de um homem de 62 anos, onde verificaram que este se tinha ausentado do domicílio, violando a medida determinada pelas autoridades de saúde”, revela a nota de imprensa da GNR. 

Após contacto com o infrator, esta autoridade apurou que se encontrava no interior de um estabelecimento de restauração e bebidas, na freguesia de São Pedro de Castelões.

No dia 28 de setembro, no âmbito do mesmo tipo de policiamento, os militares verificaram que a mulher de 61 anos não se encontrava na sua residência. Tomadas as diligências necessárias para a localizar, foi possível identificá-la em Ossela, Oliveira de Azeméis.

“Em ambas as ocorrências, após garantido o regresso às respetivas residências, os suspeitos foram detidos e constituídos arguidos, tendo os factos sido remetidos ao Tribunal Judicial da Comarca de Vale de Cambra”, refere a nota.

A GNR recorda que ficam em confinamento obrigatório em estabelecimento de saúde, no respetivo domicílio ou noutro local definido pelas autoridades de saúde, todos os doentes com COVID-19, os infetados com SARS-CoV-2 e os cidadãos relativamente a quem a autoridade de saúde ou outros profissionais de saúde tenham determinado vigilância ativa. 

A violação do confinamento obrigatório constitui crime de desobediência, com pena de prisão até um ano e quatro meses ou pena de multa até 160 dias.

Em Vale de Cambra, a pandemia já provocou 13 mortes, 22 casos ativos até ao momento e 38 pessoas a serem vigiadas por suspeita de terem contraído a doença que já atingiu 188 cidadãos valecambrenses, desde o início da pandemia, em março deste ano. 

Deixe uma resposta